Ontem, dia 25 de fevereiro, fizemos o nosso primeiro Miami Strategy Open Night, para apresentar a proposta da nova área de Estratégia da Miami Ad School, que está sob nova coordenação, e as novidades nos cursos dessa área.

Ficamos super felizes com o resultado e por termos possibilitado uma troca de ideias muito legal entre ex-alunos e estudantes/profissionais em diversos momentos de carreira, que, esperamos de coração, encontrem na Miami Ad School uma segunda casa. ❤

Acompanhem abaixo os destaques do que rolou.

Nossos 4 ex-alunos convidados (conheça aqui o perfil deles) contaram suas histórias e sobre suas experiências, que eram bem diferentes antes de ingressarem na Miami Ad School. Navegando por outras áreas, como atendimento, ilustração, eventos, etc., todos viram na Escola uma porta de entrada para a área de Planejamento e Estratégia. Todos eles contaram que, após a experiência na Miami, se encontraram. Entenderam que Estratégia era com o que eles realmente queriam trabalhar. E falaram sobre como, até hoje, aplicam os aprendizados que tiveram durante os cursos no dia-a-dia de seus trabalhos.

Vejam aqui na live toda a troca de ideias.

 

Destacamos abaixo os principais relatos de cada um deles. Inspirem-se.

Dico Barbosa: “Antes do curso, eu trabalhava com ilustração. Comecei a perceber que eu tinha mais amigos da área de Planejamento e me identificava mais com o que eles contavam sobre a rotina de trabalho deles, do que com o que eu estava fazendo naquele momento. Aí eu quis fazer Miami, que era muito conhecida e referência em Planejamento. E entrei, já que eu sempre quis fazer parte do grupo de alunos daqui, com uma ideia do que era Planejamento. E percebi que é algo que a gente leva pra vida. O Planejamento mudou meus hábitos. Na porta do meu armário eu tenho um planejamento de vida, metas. Post-its. Muitos post-its. Aprendi a usá-los na Miami Ad School. Tudo que eu vivi aqui me fez enxergar que era exatamente isso que eu queria. E hoje eu falo, com propriedade, que sou profissional de Planejamento. Fora os amigos que eu fiz. Os contatos. Eu me relaciono com gente de todo o mercado.”

Rodrigo Dimas: “Gente, a verdade é que eu acho chique dizer que eu fiz Miami. rs. Antes do primeiro dia de aula eu já tinha colocado a Miami no meu Linkedin e aquilo me fez muito feliz. Fora isso, achei muito bom o fato do Pocket ter englobado áreas que não só Planejamento, mas também Mídia, por exemplo. E estar tão perto de VPs, Diretores… eu babava, sério. A turma também foi muito legal. Vem gente do Brasil inteiro.”

Gaetano Del Gaiso: “Eu fiquei naquela… Aperto ou não aperto o botão de inscrição? Pago ou não pago o boleto? Aí decidi fazer. Pensava nas aulas aos sábados e já me dava preguiça. Só que assim que eu comecei o curso, foi o oposto. Eu não via a hora passar. De repente a gente estava 1h da manhã em HH com professores e eu achava aquilo incrível. Esse contato, pra mim, foi muito além de todo o investimento que eu estava fazendo. Eu queria estar aqui nos finais de semana. Fora o aprendizado de ler briefing. Interpretar mesmo. Você pode receber um arquivo com várias páginas, mas tem que ter o olhar para aquela uma coisa que é realmente o problema do cliente. E se você não acha o que está procurando naquele briefing, você vai e assiste uma entrevista com o CEO da empresa, onde ele fala sobre o que ele quer pro futuro e ali você capta o que o seu trabalho precisa entregar.”

Raissa Santos: “A minha decisão foi planejada. Minha experiência com o curso foi racional. Eu já queria entrar aqui para me formar como Planejamento. Eu já sabia que eu queria fazer o Bootcamp e não podia pagar pelo curso. Consegui uma bolsa. No curso eu aprendi o que um planner de fato faz. E era isso que eu queria. Os professores são geniais. Sai com a cabeça cheia de ideias. Aprendi a colocar a mão na massa. A palavra do curso pra mim foi “escolhas”. Planejamento é escolher. Eu escolhi certo.”

 

Fizemos também uma etapa de perguntas. Destaque para as trocas abaixo.

– “Vocês falaram dos melhores momentos de vocês. Mas e os piores?”
O resumo das respostas está abaixo.

“Não sei se é um momento ruim, mas é difícil reunir a galera para fazer os trabalhos. Integrar a agência de todo mundo é complicado. Você acaba usando suas madrugadas. Mas no fim dá certo.”

“Também não sei se é algo que posso falar como momento ruim, mas o fato de os professores serem, muitas vezes, VPs, Diretores das agências e das empresas, às vezes eles não vivem a mesma realidade que a sua e falam coisas que não se aplicam ao seu contexto. Mas é uma questão de você, nessas horas, filtrar o que serve pra você e tirar o melhor disso.”

– “Em que momento o curso se pagou?”
O resumo das respostas está abaixo.

“Nosso mercado é super nichado. Na Miami você conhece muita gente do mercado que, depois de anos, pode te ajudar a conseguir aquilo que você quer.”

“Até hoje eu colho frutos do investimento que eu fiz. Olha, de verdade, meu grupo de WhatsApp de colegas da Miami é mais valioso que o Linkedin. A gente troca muita informação, fica sabendo de vagas. É muito incrível.”

– “Eu queria saber se os cursos da Miami são mais voltados para quem quer trabalhar em agência. Ou se são indicados também para quem deseja atuar de outras formas”.

Para responder essa pergunta, Nathalia e Douglas, coordenadores da área, apresentaram as mudanças que estão trazendo para os cursos de Estratégia da Miami, reforçando que, apesar de os cursos terem nascido com foco em agências, hoje, as inovações implementadas nos programas faz com que eles sejam indicados para todos os que querem trabalhar com Estratégia. Seja em agências, consultorias, startups, empresas desejadas como Facebook, Google e Netflix, ou, ainda, como empreendedor, na sua própria empresa.

Quem quiser trocar ideias com eles e tirar dúvidas diretamente com a Nath e o Doug, aqui vão os e-mails deles: nathalia_andrijic@miamiadschool.com; douglas_nogueira@miamiadschool.com.